quarta-feira, 19 de março de 2014

PROF.BÓRIS FAUSTO E SUA AULA SOBRE A REPÚBLICA VELHA

Para nossos alunos dos terceiros anos:

Este documentário poderá auxiliar na compreensão dos acontecimentos do período.
Documentário sobre a República Velha - Uma aula do professor da USP Bóris Fausto

Série narrada pelo historiador Bóris Fausto e que, por meio de documentos e imagens de arquivo, traça um panorama político, social e econômico do País, desde os tempos coloniais até os dias atuais. A série é composta, ainda, de entrevistas com algumas personalidades que ajudaram a escrever essa história.

https://www.youtube.com/watch?v=XuiF0uzp22E 

sábado, 15 de março de 2014

Documentário para os Terceiros Anos
Para nossos alunos dos terceiros anos do Ensino Médio, indico um documentário fascinante, ganhador de prêmios por seu realismo com os depoimentos da personagem principal de "A Mulher com Cinco Elefantes"

http://www.eurochannel.com/pt/A-mulher-com-5-elefantes-Vadim-Jendreyko-Alemanha.html#sthash.TngMA2dp.dpuf

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014



Elementos de história para o Segundo Ano do Ensino Médio:

Conteúdo: 
Fundamentos do Pensamento Iluminista: a critica ao Antigo Regime

Habilidades Especificas:
           - Compreender o pensamento iluminista do século XVIII;
- Comparar o Antigo Regime e o Iluminismo.


Compreender Antigo Regime:

Definição de Antigo Regime

Antigo Regime  foi a denominação fornecida pelos pensadores iluministas do século XVIII para o sistema econômico e político que vigorou na Europa, principalmente, entre os séculos XVI e XVIII e foi responsável por uma rápida transformação na sociedade européia conduzindo a um processo de expansão e globalização para a época. Mas que por não sofrer transformações foi observada pelos mesmos pensadores como ultrapassada.

Suas principais características foram:

Monarquia: forma de governo totalmente centrada na figura do rei.


Absolutismo: sistema de governo onde o poder encontra-se totalmente concentrada na mãos do rei. Este exercia seu poder sem utilizar os métodos democráticos, impondo sua própria vontade na elaboração e aplicação das leis.

Mercantilismo: o Estado possuía um modelo ou sistema econômico que possuía como objetivos a obtenção de metais precisos para demonstração do enriquecimento do Rei e do Estado (metais preciosos eram importantes para fabricação de moedas), mas também caracterizava-se por praticas econômicas comuns na sociedade, tais como manutenção da balança comercial favorável, protecionismo alfandegário, acúmulo de riquezas nas mãos dos reis e ênfase no comércio marítimo e colonialismo.

Definição de Iluminismo

Movimento intelectual surgido no século XVIII na Europa, defendia o uso da razão (luz, conhecimento, saber) contra o antigo regime (considerado pelos filósofos ou pensadores como época de trevas por encontrar-se ultrapassado e completamente dominado pela submissão à religiosidade e à dominação do Rei), assim  pregavam maior liberdade econômica e política, retirando-se todo o poder dos reis.

O iluminismo obteve resultados ao promover mudanças políticas, econômicas e sociais, que foram baseadas nos ideais de liberdade, igualdade e fraternidade. Um movimento que apoiava-se na burguesia, pois tanto os pensadores, assim como os burgueses tinham interesses comuns. 

As idéias liberais do Iluminismo se disseminaram rapidamente pela população. Alguns reis absolutistas, com medo de perder o governo - ou mesmo a cabeça -, passaram a aceitar algumas idéias iluministas.

Assim iniciou-se outro movimento denominado Despotismo esclarecido, pois estes reis para manter-se no governo de suas nações tentavam conciliar o jeito de governar absolutista com as idéias de progresso iluministas.

Alguns representantes do despotismo esclarecido foram: Frederico II, da Prússia; Catarina II, da Rússia; e Marquês de Pombal, de Portugal.

Pensadores e suas ideias:

John Locke é Considerado o “pai do Iluminismo”. Sua principal obra foi “Ensaio sobre o entendimento humano”, aonde Locke defende a razão afirmando que a nossa mente é como uma tábula rasa sem nenhuma idéia. Defendeu a liberdade dos cidadãos e Condenou o absolutismo.

Voltaire
François Marie Arouet Voltaire destacou-se pelas críticas feitas ao clero católico, à inflexibilidade religiosa e à prepotência dos poderosos.

Montesquieu
Charles de Secondat Montesquieu em sua  obra “O espírito das leis”  defendeu a tripartição de poderes: Legislativo, Executivo e Judiciário.
No entanto, Montesquieu não era a favor de um governo burguês. Sua simpatia política inclinava-se para uma monarquia moderada.

Rousseau
Jean-Jacques Rousseau é autor da obra “O contrato social”, na qual afirma que o soberano deveria dirigir o Estado conforme a vontade do povo. Apenas um Estado com bases democráticas teria condições de oferecer igualdade jurídica a todos os cidadãos. Rousseau destacou-se também como defensor da pequena burguesia.

Quesnay
François Quesnay foi o representante oficial da fisiocracia. Os fisiocratas pregavam um capitalismo agrário sem a interferência do Estado.

Adam Smith 
Adam Smith foi o principal representante de um conjunto de idéias denominado liberalismo econômico, o qual é composto pelo seguinte:
- o Estado é legitimamente poderoso se for rico;
- para enriquecer, o Estado necessita expandir as atividades econômicas capitalistas;
- para expandir as atividades capitalistas, o Estado deve dar liberdade econômica e política para os grupos particulares.
A principal obra de Smith foi “A riqueza das nações”, na qual ele defende que a economia deveria ser conduzida pelo livre jogo da oferta e da procura

domingo, 16 de junho de 2013

Questões sobre o ciclo revolucionário liberal do século XIX, que envolvia dos anos 20 à 1848:

(Ufpe 95) Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos parênteses (V) se for verdadeiro ou (F) se for falso.
1. Durante o século XIX, uma onda revolucionária varreu a Europa, ora a favor da derrubada das monarquias, ora pela volta da aristocracia ao poder. Sobre estas mudanças, identifique as proposições verdadeiras e falsas.
( ) Após a queda de Napoleão, a dinastia dos Bourbons retornou ao poder, na França, através dos reinados de Luís XVIII e Carlos X.
( ) Na região onde atualmente reconhecemos a Itália, a revolução pretendeu expulsar o domínio estrangeiro e unificar todos os Estados independentes.
( ) Na Alemanha, a onda revolucionária provocou a cisão no Cristianismo, possibilitando o aparecimento da Reforma.
( ) A situação sócio-econômica européia, entre 1845 e 1848, foi de crise e fome provocadas pela falta de alimentos e pela presença de constantes guerras.
( ) A burguesia urbana e o proletariado, durante esse período, realizaram alianças temporárias e dessas alianças surgiram idéias nacionalistas, liberais e socialistas.

TEXTO PARA AS PRÓXIMAS 3 QUESTÕES.
(Puccamp 2005) A razão mais profunda do Naturalismo foi a experiência política da geração de 1848: o fracasso da revolução, a repressão, a ascensão de Luís Napoleão - uma torva experiência que obrigou os escritores a uma concentração nos fatos, a um enfrentamento com a realidade, à mais rigorosa objetividade, no plano artístico, e, no plano ético, à solidariedade social e ao ativismo político.
(Franklin de Oliveira. "Literatura e Civilização". Rio de Janeiro: Difel/INL, 1978, p. 74)

2. O século XIX, no qual está inserida a geração a que o texto se refere, teve como um dos seus eixos a
a) luta pela abolição de resquícios medievais e pelo fortalecimento do capitalismo em formação.
b) luta pela igualdade, pela ampliação dos direitos de cidadania e pela sociedade democrática.
c) descoberta da liberdade como valor fundamental da sociedade liberal e dos ideais absolutistas.
d) transformação do Estado em importante agente econômico, com prática da política mercantilista.
e) vitória das revoluções socialistas e a ampliação do confronto entre o capitalismo e o comunismo.

3. No contexto histórico da geração de 1848, a França tornou-se palco inicial e de expansão de revoltas em toda a Europa que enfraqueceram definitivamente os movimentos
a) liberais, que ganhavam força política com a restauração dos Estados Absolutistas.
b) socialistas, que pregavam o fim da propriedade privada e da sociedade sem classes.
c) nacionalistas, que procuravam enfraquecer a política intervencionista da Santa Aliança.
d) conservadores, que procuravam restaurar o Antigo Regime desde o Congresso de Viena.
e) anarquistas, que defendiam o fim do poder político e o domínio superior do ideal humanista.

4. Considere os itens a seguir.
I. O Manifesto Comunista insistia que a finalidade imediata dos comunistas era pôr fim à dominação burguesa, mesmo em sua versão "civilizada", liberal, e levar o proletariado à conquista do poder político.
II. Nesse ano foram tomadas, na Europa, diversas medidas, que tinham por objetivo conter o avanço das idéias liberais disseminadas durante a expansão napoleônica, bem como restaurar a situação vigente antes da Revolução Burguesa.
III. As revoluções da Primavera dos Povos foram desencadeadas e vencidas em um período mínimo de tempo. Porém, contribuíram para o fim da política tradicional das monarquias na Europa ocidental, que acreditavam na Teoria do Direito Divino.
IV. O Haiti, influenciado pelos ideais liberais dos movimentos revolucionários dessa década, tornou-se o primeiro país latino-americano a se constituir como nação negra independente, após a revolta dos escravos.
Sobre os acontecimentos que marcaram o ano a que o texto se refere é correto SOMENTE o que está afirmado em
a) I e II.
b) I e III.
c) I e IV.
d) II e III
e) II e IV.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Ufba 96) Na(s) questão(ões) a seguir escreva nos parênteses a soma dos itens corretos.

5. Sobre as ondas revolucionárias de 1830 e 1848, na Europa, pode-se afirmar:
(01) Essas ondas ocorreram como reação aos princípios de restauração e legitimidade estabelecidos pelo Congresso de Viena, implantados em diversos países europeus e defendidos pela Santa Aliança.
(02) A burguesia e o operariado estiveram unidos, objetivando a derrota dos governos fundamentados no Antigo Regime, distanciando-se, entretanto, logo que a burguesia assumiu o poder e se evidenciaram as divergências e as contradições existentes entre as duas classes.
(04) O princípio do nacionalismo presente nessas ondas revolucionárias apresentava um duplo significado: SEPARAÇÃO, para a retomada da autonomia nacional, e UNIFICAÇÃO, para a construção de novas nações.
(08) Durante as referidas ondas revolucionárias, o socialismo e o Partido Comunista já estavam estruturados, delas participando de forma organizada e adotando uma política moderada.
(16) Entre os efeitos das citadas ondas revolucionárias, destaca-se a intervenção da Santa Aliança nos movimentos de emancipação da América Latina, com o apoio da Inglaterra.
(32) O pensamento liberal e nacionalista contido na onda revolucionária de 1830 refletiu-se na política do Império brasileiro, contribuindo, entre outros fatores, para o movimento que resultou na abdicação de D. Pedro I.
Soma ( )


TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO
(Ufpr 92) Na(s) questão(ões) a seguir, escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.
6. A França do século XIX é marcada por movimentos sociais que acabaram por associá-la a um "laboratório" de experiências políticas. Sobre tais movimentos, é correto afirmar que:
(01) A Revolução Liberal de 1830 assinala a derrota política da aristocracia diante do avanço da burguesia. Marco da urbanização e industrialização, projeta os industriais e os banqueiros como nova classe dirigente.
(02) A Revolução de 1848, início da Segunda República, é marcada pelos movimentos proletários urbanos. Para combater o desemprego, o governo adota as propostas socialistas de Louis Blanc de criação de Oficinas Nacionais.
(04) O golpe de Louis Bonaparte em 02 de dezembro de 1851 (o "18 do Brumário") encerra a Segunda República e inaugura o Segundo Império. Napoleão III, o novo imperador, desenvolve um vasto programa de obras públicas, entregando as reformas de Paris ao Barão Haussmann.
(08) A guerra Franco-Prussiana cria condições para um imenso levante popular na capital, que instaura a Comuna de Paris (1871). Os revolucionários propõem a formação de um estado constituído de comunas autônomas. São duramente reprimidos pelas tropas do governo.
(16) A Comuna de Paris, assim como as Internacionais Operárias de 1864 e 1889 e o Manifesto Comunista de 1848, são expressões da oposição à montagem da ordem burguesa na França, bem como na Europa do século XIX.
soma = ( )


7. (Ufg 2000) A Revolução Americana (1775 - 1783) foi o sinal de alerta para a burguesia européia. Foi o prelúdio de um ciclo revolucionário que somente se estancaria com a repressão de 1848. Em 1776, com a Declaração da Independência, abriu-se a "Era das Revoluções", conforme a afirmação de Eric Hobsbawm.
Sobre as chamadas Revoluções Burguesas do século XVIII e início do XIX, julgue os itens a seguir.
( ) Na França do Antigo Regime - minado pelas idéias iluministas, pela fome e pela crise econômico-financeira - exacerba-se a contradição entre o enriquecimento da burguesia e a estrutura jurídico-política arcaica da sociedade estamental.
( ) No processo revolucionário francês, a aliança entre burguesia e parte da nobreza e do baixo clero concretizou-se na atuação política, comum nos clubes, nas academias, na imprensa e, sobretudo, na maçonaria, condenando os privilégios da sociedade das ordens.
( ) As revoluções liberais de 1830 e 1848 implantaram regimes representativos e democráticos, baseados no sufrágio universal.
( ) A Revolução Francesa foi o símbolo maior da luta contra o absolutismo monárquico, e tornou-se ecumênica, inaugurando uma nova cultura política no mundo ocidental.

8. (Fuvest 95) Quase toda a Europa Ocidental e Central foi sacudida, em 1848, por uma onda de revoluções que se caracterizaram por misturar motivos e projetos políticos diferenciados-liberalismo, democracia e socialismo. Elas também foram marcadas por uma atmosfera intelectual e um sentimento ideológico comuns. Trata-se, no caso destes últimos, do:
a) realismo e internacionalismo.
b) romantismo e nacionalismo.
c) romantismo e corporativismo.
d) realismo e nacionalismo.
e) modernismo e internacionalismo.

9. (Cesgranrio 95) Entre as décadas de 30 e 70 do século XIX, eclodiram diversos movimentos revolucionários que provocaram diversas transformações nas nações da Europa Ocidental. Marque a opção que apresenta corretamente um desses movimentos:
a) A Revolução de 1830, na França, foi motivada por idéias liberais e nacionalistas que se opunham aos objetivos restauradores do Congresso de Viena.
b) A Revolução de 1848, na Itália, foi um movimento que pregava a descentralização republicana, provocando a queda da monarquia italiana.
c) A Revolução de 1848, na Confederação Germânica, foi provocada pelos ideais da restauração monárquica, propondo a unificação alemã sob a Casa Real austríaca.
d) A Revolução de 1848, na França, proclamou o Segundo Império, instituindo uma política de nacionalidades ligada ao Congresso de Viena.
e) A Comuna de Paris, em 1871, caracterizou-se por ser um movimento liberal e burguês que criou a primeira experiência de autogestão democrática, apoiada pelo governo da Terceira República francesa recém-instalada.

10. (Puccamp 95) Analisando-se o Movimento Revolucionário ocorrido na França, em 1848, verifica-se que apresenta uma significativa diferença em relação às demais Revoluções Liberais européias do período de 1815 a 1850. Indique a alternativa que diz respeito a essa diferença.
O Movimento Revolucionário:
a) foi nitidamente liberal, provocando a queda de Carlos X e o início da chamada "Monarquia de Julho".
b) teve o duplo caráter: nacional e liberal, representando um momento decisivo contra o estatuto político-territorial estabelecido pelo Congresso de Viena.
c) adquiriu um caráter bonapartista, anti-republicano e antilegitimista.
d) assumindo uma conotação socialista, dividiu as forças revolucionárias, atemorizando a burguesia.
e) colaborou para a vitória de uma experiência socialista através da organização das "Oficinas Nacionais".

11. (Cesgranrio 94) A história política da Europa, durante o século XIX, foi marcada por uma sucessão de "ondas" revolucionárias caracterizadas especificamente numa das opções a seguir. Assinale-a.
a) O Congresso de Viena representou a consolidação da obra revolucionária na implantação da sociedade burguesa.
b) Os movimentos revolucionários de 1830 marcaram o processo de Restauração, liderados pela aristocracia.
c) As "ondas" revolucionárias corresponderam ao avanço dos cercamentos dos campos - os "enclousures" - que liberaram a população camponesa para as cidades.
d) Os movimentos de 1848 contaram com a participação das camadas populares e com a forte influência das idéias socialistas.
e) Os movimentos de 1870, na Itália e na Alemanha, deixaram a questão nacional em segundo plano, priorizando a conquista da ordem democrática.

12. (Unirio 95) Os movimentos revolucionários que ocorreram em parte da Europa, entre 1830 e 1848, foram influenciados pelo avanço de idéias:
a) monárquicas.
b) socialistas.
c) liberais.
d) sindicalistas.
e) comunistas.

13. (Pucsp 96) A "Primavera dos Povos", como foram batizadas as Revoluções de 1848 na Europa, trouxe uma novidade para o panorama político europeu. Pela primeira vez
a) a idéia de Revolução foi conjugada com o ideal liberal de uma sociedade cuja organização fosse fundada num pacto social.
b) o regime republicano era instaurado sob o patrocínio exclusivo da burguesia, uma vez que os trabalhadores abdicaram da participação na reordenação política.
c) o proletariado fazia sua aparição política com reivindicações classistas e propostas de mudança da ordem social.
d) o internacionalismo proletário foi experimentado, tendo sido o motivo para a simultaneidade das revoluções em toda a Europa.
e) a proposta de um centralismo democrático na estruturação do partido Liberal foi testada, tendo como resultado a efetiva conquista do poder por esse grupo.

14. (G1) A expressão "Revoluções Burguesas" refere-se à múltiplas transformações ocorridas na Europa. A alternativa que condiz com a citada expressão é:
a) domínio da atividade comercial e crescente urbanização da sociedade européia ao final da Idade Média;
b) processo de expansão comercial comandado pela burguesia e pelos Estados Nacionais europeus ao longo da Época Moderna;
c) movimentos diversos que determinaram mudanças de natureza social, econômica e jurídico-política, encontrando sua expressão clássica na Inglaterra do século XVII e na Revolução Francesa;
d) revoluções responsáveis pela implantação do Parlamentarismo na França e pela condução de Luís XVI ao poder da Inglaterra;
e) revoluções comandadas por Kerensky e Lênin respectivamente em março e outubro de 1917 na Rússia Czarista.

15. (Fuvest 85) As revoluções de 1848 na Europa:
a) tentaram impor o retorno do Absolutismo, anulando as conquistas da Revolução Francesa.
b) foram marcadas pelo caráter nacionalista e liberal, incluindo propostas socialistas.
c) provocaram a união das tropas de Bismarck e Napoleão III para destruir o governo revolucionário.
d) conduziram Luís Felipe ao trono da França e deram origem à Bélgica como estado independente.
e) foram vitoriosas e completaram as unificações nacionais na ltália e Alemanha.

16. (Fuvest 97) Qual dos países a seguir, não passou por nenhuma das várias revoluções políticas que marcaram a Europa no século XIX?
a) Itália
b) Espanha
c) Inglaterra
d) Alemanha
e) França

17. (Cesgranrio 93) "Trabalhadores de todo o mundo, uni-vos!"
Com essa frase, que se tornou famosa, Marx e Engels começavam o "Manifesto Comunista" no fervilhar de um período de profundas agitações em toda a Europa, no período entre 1830 e 1848. Acerca dessa conjuntura, podemos afirmar que:
a) as barricadas de 1848, em Paris, exigiam mudanças sociais na França e culminaram com a queda da monarquia de Luiz Bonaparte.
b) com a formação do II Reich, em 1830, os estados alemães unificados começaram a atender aos anseios nacionalistas dos movimentos sociais.
c) as vitórias do movimento cartista inglês criaram as bases para o surgimento do "Labour Party", intérprete das demandas operárias na vida política nacional.
d) a consolidação da Internacional Socialista, em 1848, unificando os vários partidos social-democratas europeus, colocou em xeque os governos democrata-cristãos.
e) a atuação dos "déspotas esclarecidos" contra o avanço do nacionalismo e do liberalismo reafirmou os compromissos do Congresso de Viena.

18. (Ufrs 97) Nas origens das revoluções democrático-burguesas dos séculos XVIII e XIX, encontram-se condições que envolvem o conflito entre o que se poderia denominar de forças de transformação e as chamadas forças de conservação, isto é:
a) de um lado, as relações sociais estabelecidas essencialmente em torno da terra e, de outro, um modelo de exploração baseado na posse do homem pelo homem.
b) os direitos de socialização da terra pelo proletariado agrícola e uma economia assentada predominantemente na agricultura.
c) de um lado, o capitalismo agrário e industrial e as reivindicações da burguesia e, de outro, os remanescentes da economia feudal e os setores privilegiados representados pelo clero e pela aristocracia.
d) o progresso do poder real que tende a organizar o Estado Moderno e a permanência do exercício da justiça pelo soberano sobre seus vassalos.
e) a resistência crescente dos camponeses às exigências dos senhores e o aparecimento de uma forma de transição entre a economia agrícola feudal e a economia agrícola capitalista: o trabalho escravo.

19. (Unirio 97) As revoluções que eclodiram em diversos países da Europa, no ano de 1848, caracterizaram-se basicamente pela(o):
a) restauração do poder das monarquias tradicionais e absolutas.
b) descentralização política e administrativa empreendida pela Santa Aliança nesses países.
c) difusão das idéias liberais e nacionalistas.
d) fortalecimento político e econômico da nobreza fundiária.
e) enfraquecimento dos movimentos operários e socialistas.

20. (Unb 97) "A série de agitações e movimentos revolucionários que caracterizam a sociedade européia após 1815 está ligada à insatisfação burguesa ante o estatuto político e social fixado em 1815 pelas forças conservadoras, insatisfação essa que nada mais é que a tradução, no plano social e ideológico, dos antagonismos suscitados pelo rápido desenvolvimento da produção capitalista industrial".
(J. Falcon e G. Moura, A FORMAÇÃO DO MUNDO CONTEMPORÂNEO.)
Com o auxílio do texto, julgue os itens a seguir, relativos à evolução política ocidental nas primeiras décadas do século XIX.
(1) O Congresso de Viena (1814-1815) defendeu o retorno à ordem anterior à Revolução Francesa e ao período napoleônico, restaurando as antigas fronteiras européias e preservando os sistemas coloniais.
(2) Sob a inspiração de Metternich, chanceler austríaco, o Congresso de Viena consagrou o sistema europeu das grandes potências, autêntica barreira conservadora em torno da França.
(3) A Santa Aliança, nascida no Congresso de Viena, obteve êxito em sua tentativa de impedir as independências latino-americanas e as revoluções liberais na Europa.
(4) Fazendo um jogo de dupla face, a Inglaterra foi conservadora na Europa e liberal em relação às colônias latino-americanas que buscavam sua independência.

21. (Puccamp 98) Em relação às Revoluções de 1848 é correto afirmar que
a) desenvolveram na França uma experiência política de forte inspiração socialista, que reconhecia a absoluta igualdade entre os homens.
b) restabeleceram na Europa governos elitistas regidos por constituições que cerceavam os direitos e liberdades de participação popular.
c) representaram tão-somente o ponto culminante de um processo revolucionário de caráter popular, que influenciou a Revolução Americana.
d) produziram grandes surtos revolucionários de caráter ao mesmo tempo liberal e nacional, na Itália e na Alemanha.
e) foram responsáveis pela divulgação dos princípios de legitimidade e do equilíbrio europeu na América e no Oriente.

22. (Ufrs 98) A onda revolucionária que abalou a Europa em 1848, também conhecida como "Primavera dos Povos", significou
a) o avanço das idéias liberais e nacionalistas, a consolidação da burguesia no poder e a entrada do proletariado industrial no cenário político.
b) a vitória das diversas correntes socialistas que fundaram, a seguir, a Comuna de Paris.
c) a expansão dos setores conservadores que restauraram o Antigo Regime na Áustria, Prússia e Rússia, afastados do poder desde o Congresso de Viena.
d) a conquista do Estado pela aliança constituída pela burguesia financeira e pelo proletariado industrial em detrimento dos setores conservadores do Antigo Regime.
e) um retrocesso que retardou, na Europa ocidental, a ascensão do liberalismo político e do nacionalismo, ideologias características das burguesias nacionais.

23. (Puccamp 99) As revoluções liberais burguesas ocorreram na Europa na primeira metade do século XIX. Sobre elas pode-se afirmar que
a) difundiram-se a partir dos países da Península Ibéricas e da Grã-Bretanha.
b) resultaram em mudanças radicais na estrutura social, promovidas pela burguesia aliada ao proletariado.
c) marcaram a vitória do poder burguês sobre a aristocracia na Europa Ocidental.
d) representaram um retrocesso significativo no âmbito das artes, da industrialização e da urbanização.
e) não atingiram a Itália e Alemanha porque esses países tinham fortes lideranças socialistas.

24. (Ufpe 2000) Sobre as revoluções de 1848 na Europa, pode-se afirmar:
(0) tentaram impor o retorno do absolutismo,
anulando as conquistas da Revolução Francesa.
(1) foram caracterizadas pelo nacionalismo e pelo liberalismo, incluindo propostas socialistas.
(2) provocaram a união das tropas de Bismarck e Napoleão lII, para destruir o governo revolucionário.
(3) conduziram Luís Felipe ao trono da França e deram origem à Bélgica como Estado independente.
(4) foram vitoriosas e completaram as unificações nacionais na Itália e na Alemanha.

25. (Ufsm 2000) Na Europa, na primeira metade do século XIX, o triunfo do capitalismo industrial acompanhava os avanços do liberalismo clássico. É(São) característica(s) desse período:
I. A tentativa de Restauração feita por Carlos X, em 1830, na França, une povo e a burguesia num movimento revolucionário que vai culminar com a ascensão de Luís Filipe de Orleans.
II. Os liberais italianos do norte, originários de Parma e Módena, inspirados na revolução liberal francesa, uniram liberalismo e nacionalismo e se empenharam em pôr fim à dominação estrangeira e unificar a Itália.
III. Na Inglaterra, a ação dos liberais se expressou no Movimento Cartista, organizado pela burguesia, que pregava a reforma eleitoral.
IV. O modelo de liberalismo adotado pelos estados alemães foi a Zollverein, que consistia numa unificação econômica e social dos estados, promovida pelo governo e burguesia.
Está(ão) correta(s)
a) apenas I.
b) apenas III.
c) apenas I, II e IV.
d) apenas II e IV.
e) I, II, III e IV.

26. (Ufrn 2001) No século XIX, a Europa foi sacudida por tantas revoluções (1830/1848/1871) que o período foi designado como "Era das Revoluções".
Esses movimentos tiveram em comum:
a) imperialismo, nacionalismo e participação da aristocracia territorial
b) corporativismo, sentimento de união nacional e participação da burguesia
c) internacionalismo, socialismo utópico e participação das elites intelectuais
d) socialismo, ideal de liberdade e participação das camadas populares

27. (Ufu 2001) "1848 foi a primeira revolução potencialmente global. (...) Num certo sentido, foi o paradigma de um tipo de 'revolução mundial' com o qual, dali em diante, rebeldes poderiam sonhar e que, em raros momentos (...) eles pensaram poder reconhecer. De fato, explosões simultâneas continentais ou mundiais são extremamente, raras".
(HOBSBAWM. E. "A Era do Capital." São Paulo: Paz e Terra, 1982. p.30.)
Sobre as revoluções de 1848, assinale a alternativa correta.
a) O caráter de "revolução mundial" de que se revestiram estes movimentos deveu-se à influência da Associação Internacional dos Trabalhadores - a 2• Internacional - que possibilitou estender os movimentos não só por toda a Europa, mas também pelas principais cidades do continente americano.
b) As revoluções de 1848 foram movimentos do proletariado industrial num contexto de crise econômica, começando na Inglaterra e atingindo a França, Alemanha e Bélgica, derrubando os governos burgueses e instalando repúblicas de orientação socialista.
c) Foram movimentos que mesclaram os interesses liberais e nacionalistas da burguesia, em sua luta contra o absolutismo, às reivindicações e ao descontentamento das massas populares, canalizadas pelo socialismo, que pregava reformas radicais.
d) Essencialmente urbanas, as revoluções de 1848 foram movimentos de resistência contra o conservadorismo, organizadas e controladas pela burguesia européia, e inspiradas no liberalismo radical, sem a participação popular.

28. (Ufv 2001) Tão logo pisei na rua, pela primeira vez respirei o ar das revoluções: o meio da via pública estava deserto, as lojas não estavam abertas [...]. As barricadas estavam sendo construídas com arte e por um número pequeno de homens, que trabalhavam com muito cuidado. Não agiam como culpados, perseguidos pelo medo de serem flagrados em delito, mas com o aspecto de bons operários que querem completar o trabalho rapidamente e da melhor forma [...]. Somente o povo portava armas, guardava os locais públicos, vigiava, comandava, punia. Era uma coisa extraordinária e terrível ver, nas mãos unicamente dos que nada tinham, toda aquela imensa cidade, cheia de tantas riquezas, ou melhor, aquela grande nação, porque, graças à centralização, quem reina em Paris comanda a França. E assim, foi imenso o terror de todas as demais classes.
O texto refere-se aos movimentos democráticos de 1848 na Europa, a respeito dos quais podemos afirmar CORRETAMENTE que:
a) constituíram-se numa série de revoltas às quais se juntavam trabalhadores e burgueses contra o Antigo Regime.
b) tiveram pouco significado histórico porque, além de sua curta duração, ficaram restritos à França.
c) foram um conjunto de revoltas de iniciativa exclusivamente popular, contra o Golpe do 18 Brumário de Napoleão Bonaparte.
d) compuseram uma série de movimentos que eclodiram em toda a Europa, cuja reivindicação principal era mudar a forma de governo de autocrática para democrática.
e) significaram revoluções autênticas, de inspiração socialista, com ampla mobilização popular, visando à mudança da ordem social.

29. (Ufrs 2000) O ciclo das revoluções européias de 1848 deu origem a vários acontecimentos.
Analise os itens abaixo.
I- Fim do reinado de Luís Felipe na França e início da II República.
II- Destruição do sistema conservador da restauração imposto sob a liderança de Metternich no Congresso de Viena.
III- Revoltas nas províncias brasileiras durante a época da Regência
Quais deles contêm acontecimento históricos que tiveram origem no citado ciclo?
a) Apenas III.
b) Apenas I e II.
c) Apenas I e III.
d) Apenas II e III.
e) I, II e III.

30. (Ufsm 2001) Em 1830, a Europa é varrida por revoltas que têm suas origens
I. no ideário da Revolução Francesa.
II. no socialismo da burguesia em ascensão.
III. nos princípios do liberalismo e do nacionalismo.
IV. no ideário da Santa Aliança.
Estão corretas
a) apenas I e II.
b) apenas I e III.
c) apenas II e IV.
d) apenas III e IV.
e) apenas II, III e IV.

31. (Uel 2001) A respeito da revolução de 1848 na Europa, é correto afirmar:
a) Restringiu-se a Paris e às pequenas cidades periféricas.
b) Contou com uma reduzida participação do proletariado.
c) Caracterizou-se pela disputa entre liberais, nacionalistas e socialistas.
d) Foi marcada pelo radicalismo dos camponeses republicanos.
e) Nela, os revolucionários defendiam a continuidade da monarquia e de Luiz Filipe à frente do Governo.

32. (Ufal 99) Em 1848, a Revolução explodiu, irradiando-se por todo o continente europeu, numa sucessão de eventos que passou à História como Primavera dos Povos, introduzindo no contexto das relações políticas:
( ) O sentimento de impotência dos grupos liberais, incapazes do consolidar o Estado Liberal Burguês.
( ) Reivindicações e propostas proletárias próprias de mudança da ordem social e econômica.
( ) O internacionalismo proletário e a consolidação da primeira experiência real de socialismo, a Comuna de Paris.
( ) O liberalismo clássico, que consolidou o Estado burguês através de um amplo programa social.
( ) Nova experiência republicana, que entretanto durou pouco tempo.

33. (Mackenzie 2000) Entre o Congresso de Viena de 1815 e 1848, ocorreram, na Europa, movimentos liberais e nacionais. Considere as seguintes afirmações.
I - As decisões do Congresso de Viena geraram formas de reação da burguesia contra os limites impostos ao desenvolvimento do capitalismo industrial.
II- A Revolução liberal de 1830, também chamada de jornada de julho, estancou o avanço reacionário iniciado com o Congresso de Viena de 1815.
III - A Revolução de 1848 exaltou o ânimo das massas e irradiou-se pelo continente numa sucessão de eventos que passou à história como Primavera dos Povos.
IV - Do Congresso de Viena surgiu a Santa Aliança, que objetivava a proteção à paz, à justiça e à religião e assegurava as lutas nacionalistas e liberais decorrentes das idéias implantadas pela Revolução Francesa.
Estão corretas:
a) apenas I, II e III.
b) apenas I, II e IV.
c) apenas I, III e IV.
d) apenas I e IV.
e) I, II, III e IV.

34. (Fgv 2001) Leia as afirmações a seguir, sobre a Restauração na França, e assinale a alternativa CORRETA.
I. Durante a Restauração (1789-1815), os Bourbon buscaram reinstalar o absolutismo, sofrendo, por isso, uma resistência popular de caráter republicano e ações de terror contra a nobreza.
II. O parlamento francês, na primeira fase da Restauração, foi composto por três forças políticas: a ultra-realista, a constitucional e a liberal.
III. Na tentativa de consolidar uma transição, durante a Restauração, foi instituído o voto censitário.
IV. A vitória da Revolução Liberal, nas jornadas de julho, não representou o triunfo do liberalismo sobre o absolutismo.
V. Luís XVIII e Carlos X ficaram conhecidos como os "reis da restauração", enquanto Luís Felipe de Orléans, como o "rei dos banqueiros" nesse processo.
a) apenas I, II e IV estão corretas;
b) apenas III, IV e V estão corretas;
c) apenas I, IV e V estão corretas;
d) apenas II, III e V estão corretas;
e) todas estão corretas.

35. (Ufrs 2001) Em 1830 o rei Carlos X, líder dos ultra-realistas da França, desfechou um golpe com a intenção de restaurar o absolutismo, o que resultou nas jornadas gloriosas de julho, em Paris, que tiveram como conseqüência a
a) proclamação da República, em que se destacou Luiz Bonaparte, que organizou o Partido da Ordem.
b) liquidação do absolutismo dos Bourbons e a instalação de uma monarquia liberal sob o governo de Luiz Felipe de Orleans.
c) instauração do governo do comitê de salvação pública e a declaração de guerra à Santa Aliança.
d) conquista do México para desviar a tensão política interna e restaurar o prestígio dos Bourbons.
e) enunciação da Doutrina Monroe, prevendo a conquista do Oeste dos Estados Unidos pela província francesa do Quebec.

36. (Ufrrj 2003) Leia o texto abaixo.
"As revoluções de 1848(...) tiveram muito em comum, não apenas pelo fato de terem ocorrido quase simultaneamente, mas também porque seus destinos estavam cruzados, todas possuíam um estilo e sentimento comuns, uma atmosfera curiosamente romântico-utópica e uma retórica similar, (...) Era a 'primavera dos povos' - e, como primavera, não durou."
HOBSBAWM, Eric J. "A Era do capital". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. p. 33.
A chamada "Primavera dos Povos", por sua amplitude e radicalidade, apresentou-se como uma enorme esperança de mudanças políticas e sociais no continente europeu e até fora dele (influência na Revolução Praieira em Pernambuco). A opção que caracteriza corretamente um dos movimentos revolucionários daquele período, é:
a) Em 1848, a rebelião popular em Viena não conseguiu depor o ministro Metternich, dado o apoio do Império Russo ao governo conservador.
b) Na França, a partir da Revolução de Fevereiro, formou-se um governo com a participação de socialistas, responsável pela criação das Oficinas Nacionais.
c) Influenciada pela rebelião ocorrida em Viena, a Lombardia-Veneza rebelou-se contra os austríacos, com sucesso, tornando-se o centro do processo de unificação italiana.
d) Como resistência à invasão prussiana, operários franceses tomaram as ruas e ocuparam as prefeituras das cidades, gerando o movimento da Comuna da Paris, primeiro governo socialista vitorioso da história da humanidade.
e) Na França, a classe média com o apoio dos camponeses pequenos-proprietários se rebelou contra Luís Bonaparte, que, apoiado pela burguesia, deu golpe de Estado e implantou uma ditadura.

37. (Unifesp 2004) O movimento revolucionário de 1848, que abalou, mas não destruiu, a ordem social vigente na Europa, pode ser caracterizado como um conflito no qual
a) a burguesia, ou frações desta classe, face ao perigo representado pelo proletariado, não tomou o poder.
b) o campesinato, em luta encarniçada contra a nobreza, abriu espaço para a burguesia tomar o poder.
c) a nobreza, diante da ameaça representada pela burguesia, fez concessões ao proletariado para se manter no poder.
d) o proletariado, embora fosse uma classe já madura e com experiência, ficou a reboque dos acontecimentos.
e) não houve luta de classes, e sim disputas derivadas das tensões e contradições existentes entre ricos e pobres.


38. (Ufu 2004) "No início de 1848, o eminente pensador político francês Alexis de Tocqueville tomou a tribuna da Câmara dos Deputados para expressar sentimentos que muitos europeus partilhavam: ' Nós dormimos sobre um vulcão... Os senhores não perceberam que a terra treme mais uma vez? Sopra o vento das revoluções, a tempestade está no horizonte.' 1848 foi a primeira revolução potencialmente global (...) foi a única a afetar tanto as partes desenvolvidas quanto as atrasadas do continente. Foi ao mesmo tempo a mais ampla e a menos sucedida desse tipo de revolução."
HOBSBAWN, Eric. "A Era do capital: 1848 - 1875". Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.
A respeito deste contexto histórico, marcado pela chamada "Primavera dos Povos", podemos afirmar que
I - na França, as barricadas foram empreendidas pelos camponeses, influenciados pelos ideais nacionalistas, e estas promoveram, após a tomada do poder pelos rebeldes e a restauração da monarquia, o enfraquecimento do liberalismo burguês e a democracia representativa em nome da democracia direta.
II - a crise econômica que assolava a Europa, agravada por pragas e pela seca, prejudicou os camponeses, levando-os às ruas em apoio às novas ideologias baseadas nas idéias socialistas, divulgadas com a publicação do Manifesto Comunista de Karl Marx e Friedrich Engels em 1848.
III - as revoltas de 1848, embora tivessem se alastrado pela Europa, não tiveram repercussão no Brasil. Em função do seu caráter fragmentado e das disputas internas entre nacionalistas e liberais, dificultaram os processos de Unificações da Itália e Alemanha.
IV - as diferentes ondas revolucionárias da Primavera dos Povos tiveram em comum o espírito romântico, a construção de barricadas, as bandeiras coloridas e o ideal de liberdade, pondo em xeque o poder e a tradição aristocrática européia.
Assinale a alternativa correta.
a) Apenas I e II são corretas.
b) Apenas II e IV são corretas.
c) Apenas III e IV são corretas.
d) Apenas I e III são corretas.

39. (Unifesp 2006) Signos infalíveis anunciam que, dentro de poucos anos, as questões das nacionalidades, combinadas com as questões sociais, dominarão sobre todas as demais no continente europeu.
(Henri Martin, 1847.)
Tendo em vista o que ocorreu século e meio depois dessa declaração, pode-se afirmar que o autor
a) estava desinformado, pois naquele momento tais questões já apareciam como parcialmente resolvidas em grande parte da Europa.
b) soube identificar, nas linhas de força da história européia, a articulação entre intelectuais e nacionalismo.
c) foi incapaz de perceber que as forças do antigo regime eram suficientemente flexíveis para incorporar e anular tais questões.
d) demonstrou sensibilidade ao perceber que aquelas duas questões estavam na ordem do dia e como tal iriam por muito tempo ficar.
e) exemplificou a impossibilidade de se preverem as tendências da história, tendo em vista que uma das questões foi logo resolvida.

40. (Pucpr 2007) As revoluções liberais burguesas inspiraram-se em idéias de intelectuais iluministas que muito valorizavam a razão, procurando explicações racionais para todas as coisas.
Dentre estas idéias, as que mais estavam diretamente relacionadas àqueles movimentos revolucionários eram:
I - A liberdade individual era um entrave ao funcionamento do Estado e deveria ser abolida.
II - O estado nada mais era do que o poder conjunto de todos os membros da sociedade, poder este limitado.
III - O poder político deve ser indivisível e uno, pois somente assim pode atender suas finalidades.
I V- Em oposição ao Antigo Regime, a centralização administrativa devia concentrar os poderes políticos.
V - O Mercantilismo deveria ser substituído pelo Liberalismo, em oposição a qualquer tipo de regulamentação.
São corretas as afirmações:
a) I e IV
b) I e III
c) II e V
d) III e IV
e) IV e V


41. (Fgv 2009) "A nova onda se propagou rapidamente por toda a Europa. Uma semana depois da queda de Luís Filipe I, o movimento revolucionário tomou conta de uma parte da Alemanha e, em menos de um mês, já estava na Hungria, passando pela Itália e pela Áustria. Em poucas semanas, os governos dessa vasta região foram derrubados, e supostamente se inaugurava uma nova etapa da História europeia, a Primavera dos Povos".
(Luiz Koshiba, "História - origens, estruturas e processos")
O texto faz referência:
a) à Belle Epoque.
b) às Revoluções de 1848.
c) à Restauração de 1815.
d) à Guerra Franco-Prussiana.
e) às Revoluções liberais de 1820.

42. (Udesc 2009) Assinale a alternativa CORRETA, em relação à chamada "Primavera dos Povos".
a) A "Primavera dos Povos" não influenciou a formação dos movimentos sociais do Século XIX.
b) Foi uma revolução brasileira, mas que atingiu também outros países do Cone Sul.
c) Houve influência da "Primavera dos Povos" no Brasil através do movimento dos "Seringueiros".
d) Atribuição colocada ao movimento revolucionário francês em 1848, que derrubou a monarquia de Luis Felipe e trouxe à discussão a exploração burguesa e a dominação política.
e) A influência da "Primavera dos Povos" se restringiu às preocupações francesas do período.

43. (Unb 98) Liberalismo, imperialismo e socialismo representam alguns dos mais significativos emblemas do século XIX. A esse respeito, julgue os itens que se seguem.
(1) Ideologicamente sustentado pelo liberalismo, desenvolveu-se o capitalismo de base industrial, associado, portanto, à expansão imperial.
(2) Embora enfatizando a competição como definidora das leis do mercado, o liberalismo defendia a intervenção do Estado na economia.
(3) Na Alemanha, a unificação política foi precedida pela unificação econômica; a união aduaneira estimulou o comércio interno, a produção industrial e as comunicações.
(4) O"Manifesto Comunista" de 1848, publicado no calor da onda revolucionária, expressava o desenvolvimento de uma nova visão - o socialismo -, que se opunha à vitoriosa ordem burguesa.

44. (Uem 2004) "Em 1848, a Europa foi varrida por uma nova onda de revoluções que, pela primeira vez, contaram com ativa participação política da classe operária. Nesse ano, enquanto o continente era sacudido pela 'primavera dos povos', ocorreu a publicação do Manifesto Comunista, assinalando o surgimento do socialismo científico, cujos fundadores foram Karl Marx e Friedrich Engels. A passagem do socialismo utópico para o científico representou a passagem da infância para a maturidade política do proletariado industrial." (MELLO, L. I. A. & COSTA, L. C. A. História Moderna e Contemporânea. São Paulo: Scipione, 1993).
Em relação ao Manifesto Comunista, de Marx e de Engels, assinale o que for correto.
01) Marx e Engels combatiam a sociedade capitalista apelando para que os burgueses abrissem mão de suas propriedades e organizassem uma sociedade socialista.
02) Marx e Engels afirmavam que a divisão da sociedade em classes seria determinada por fatores de ordem econômica e, sobretudo, pela existência da propriedade privada. Os interesses econômicos antagônicos estavam na base do conflito entre as classes sociais, e essa luta, por sua vez, constituiria a força motriz das grandes transformações históricas.
04) Segundo Marx e Engels, a história é a história das lutas de classes, que, na sociedade capitalista, caracteriza-se pelo antagonismo social entre a burguesia industrial e a nobreza encastelada, ávida para reconquistar sua condição de classe dominante.
08) Marx e Engels escreveram o Manifesto Comunista com o objetivo de mostrar ao mundo que existia uma teoria consolidada que propunha o fim da propriedade privada dos meios de produção.
16) Marx e Engels entendiam que a construção da nova sociedade passaria necessariamente por uma revolução que faria a destruição violenta da burguesia e promoveria a socialização dos meios de produção.


45. (Uepg 2001) Na Europa, na primeira metade do século XIX, surgiram idéias nacionalistas, como afirmação dos princípios liberais aplicados à nação, entendida como um conjunto de indivíduos dotados de liberdades naturais e unidos por interesses e idioma comuns, constituindo uma "individualidade política" com direito a autodeterminação. Na segunda metade desse século, o panorama político europeu caracterizou-se pela política das nacionalidades, e nesse contexto ocorreram as unificações da Itália e da Alemanha.
Sobre a unificação da ltália, assinale o que for correto
(01) A idéia de unificação partiu das zonas de crescente desenvolvimento industrial, correspondendo basicamente aos interesses de setores da burguesia, desejosos de constituir um amplo mercado nacional para seus produtos.
(02) O processo de unificação se desenvolveu no sentido norte/sul, a partir do Reino do Piemonte-Sardenha.
(04) O movimento nacionalista de Mazzini foi derrotado em 1830, mas recuperou força em 1849, com a fundação da República Romana.
(08) O caráter popular e a radicalização dos movimentos de unificação nos anos de 1848 e 1849 levaram a burguesia a retirar o seu apoio, o que favoreceu a contra-revolução.
(16) Concluído o processo de unificação, dois importantes problemas permaneceram: a Questão Romana - recusa de Pio IX e seus sucessores em aceitar a perda de seus territórios - e a existência de minorias italianas fora do território unificado.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

Revolução Francesa por Hobsbawn

Um texto para leitura e aprofundamento sobre a Revolução Francesa do inesquecivel historiador, Eric Hobsbawn. (clique)
Porém um texto adicional sobre Napoleão Bonaparte (clique), breve, mas bem elaborado, pode ser consultado no site portugues Vidas Lusofonas.

Boa Leitura

Cidadania um interessante estudo

Procuramos estudar durante o processo do Iluminismo e da Revolução Francesa as questões que se relacionam com a cidadania. Trabalhamos as propostas desde a antiga Atenas até a atualidade com as discussões sobre os projetos de maioridade penal para os jovens a partir dos dessesseis anos.
Objetivando reforçar nosso plano histórico vamos transcrever um texto de um dos mais importantes juristas brasileiros, o professor Dalmo de Abreu Dallari, formado pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, com um dos mais importantes curriculos na área, professor Emérito da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Entre suas principais obras destaca-se Elementos de Teoria Geral do Estado. Em 2001, publicou obra pioneira acerca de perspectivas do Estado para o futuro - intitulando-a de O Futuro do Estado - trata do conceito de Estado mundial, do mundo sem Estados, dos chamados Super-Estados e dos múltiplos Estados do Bem-Estar. Em 1996 tornou-se o professor catedrático da UNESCO na cadeira de Educação para a Paz, Direitos Humanos e Democracia e Tolerância, criada na Universidade de São Paulo, tendo participado de seu primeiro Congresso em 1998.
Uma boa leitura e estudo para todos.



A CIDADANIA E SUA HISTÓRIA

Dalmo Dallari

A Cidadania na Antigüidade

A palavra cidadania foi usada na Roma antiga para indicar a situação política de uma pessoa e os direitos que essa pessoa tinha ou podia exercer. A sociedade romana fazia discriminações e separava as pessoas por classes sociais. Havia, em primeiro lugar, os romanos e os estrangeiros, mas os romanos não eram considerados todos iguais, existindo várias categorias. Em relação à liberdade das pessoas era feita a diferenciação entre livres e escravos, mas entre os que eram livres também havia igualdade, fazendo-se distinção entre os patrícios – membros das famílias mais importantes que tinham participado da fundação de Roma e por isso considerados nobres – e os plebeus – pessoas comuns que não tinham o direito de ocupar todos os cargos políticos. Com o tempo foram sendo criadas categorias intermediárias, para que alguns plebeus recebessem um título que os colocava mais próximos dos patrícios e lhes permitia ter acesso aos cargos mais importantes.

Quanto à possibilidade de participar das atividades políticas e administrativas haviam uma distinção importante entre os próprios romanos. Os romanos livres tinham cidadania: eram, portanto, cidadãos, mas nem todos podiam ocupar os cargos políticos, como ode senador ou de magistrado, nem os mais altos cargos administrativos. Fazia-se uma distinção entre cidadania e cidadania ativa. Só os cidadãos ativos tinham o direito de participar das atividades políticas e de ocupar os mais altos postos da Administração Pública. Uma particularidade que deve ser ressantada é que as mulheres não tinham a cidadania ativa e por esse motivo nunca houve mulheres na Senado nem nas magistraturas romanas.

As Revoluções Burguesas e Cidadania

Nos séculos dezessete e dezoito, quando na Europa já estavam começando os tempos modernos, havia também a divisão da sociedade em classes, lembrando muito a antiga divisão romana. Os nobres gozavam de muitos privilégios, eram proprietários de grandes extensões de terras, não pagavam impostos e ocupavam os cargos políticos mais importantes. Ao lado deles existiam as pessoas chamadas comuns, mas entre estas havia grande diferença entre os que eram ricos, que compunham a burguesia, e os outros que, por não terem riqueza, viviam de seu trabalho, no campo ou na cidade. Nessa fase da história da humanidade vamos encontrar os reis que governam sem nenhuma limitação, com poderes absolutos, e por isso o período é conhecido como do absolutismo.

Houve um momento em que os burgueses e os trabalhadores já não suportavam as arbitrariedades e as injustiças praticadas pelos reis absolutistas e pela nobreza e por esse motivo, unindo-se todos contra os nobres, fizeram uma série de revoluções, conhecidas como revoluções burguesas. Desse modo foi feita a revolução na Inglaterra, nos anos 1688 e 1689, quando o rei perdeu todos os seus poderes e os burgueses passaram a dominar o Parlamento, passando os nobres, que eram chamados lordes, para segundo plano. Nessa época a Inglaterra tinha 13 colônias na América do Norte. Influenciadas pelo que acontecia na Inglaterra, as pessoas mais ricas dessas colônias, incluíndo os proprietários de terras e os grandes comerciantes, promoveram uma revolução no século seguinte. Desse modo proclamaram a independência das colônias, em 1776. Alguns anos mais tarde, em 1787, resolveram unir-se e criaram um novo Estado, que recebeu o nome de Estados Unidos da América.

Dois anos depois, em 1789, ocorreu na França um movimento revolucionário semelhante, que passou para a história com o nome de Revolução Francesa. Esse movimento foi muito importante porque influiu para que grande parte do mundo adotasse o novo modelo de sociedade, criado em conseqüência da Revolução. Foi nesse momento e nesse ambiente que nasceu a moderna concepção de cidadania, que surgiu para afirmar a eliminação de privilégios mas que, pouco depois, foi utilizada exatamente para garantir a superioridade de novos privilegiados.

No dia 14 de julho de 1789 o povo invadiu a prisão da Bastilha, na cidade de Paris, onde se achavam presos os acusados de serem inimigos do regime político absolutista. Esse fato marcou o início de uma série de modificações importantes na organização social da França e no seu sistema de governo, estando entre essas modificações a eliminação dos privilégios da nobreza. Por esse motivo a tomada da Bastilha passou a ser comemorada como o dia da Revolução Francesa, mas a revolução se caracteriza por um conjunto de fatos que tem início bem antes daquela data.

Uma das inovações importantes, ocorrida algumas décadas antes, foi justamente o uso das palavras cidadão e cidadã, para simbolizar a igualdade de todos. Vários escritores políticos vinham defendendo a idéia de que todos os seres vivos nascem livres e são iguais, devendo ter os mesmos direitos. Isso foi defendido pelos burgueses, que desejavam Ter o direito de participar do governo, para não ficarem mais sujeitos a regras que só convinham ao rei e aos nobres. O povo que trabalhava, que vivia de salários e que dependia dos mais ricos também queria reconhecimento da igualdade, achando que se todos fossem iguais as pessoas mais humildes também poderiam participar do governo e desse modo as leis seriam mais justas.

Cabe lembrar que as mulheres tiveram importante participação nos movimentos políticos e sociais da Revolução Francesa. Quando se falava no direito da cidadania a intenção era dizer que todos deveriam Ter os mesmo direito de participar do governo, não havendo mais diferença entre nobres e não-nobres nem entre ricos e pobres ou entre homens e mulheres.

Injustiça Legalizada: Discriminação pela Cidadania

No ano de 1791 os líderes da Revolução Francesa, reunidos numa assembléia, aprovaram a primeira Constituição francesa e aí já estabeleceram regras que deformavam completamente a idéia de cidadania. Recuperando a antiga diferenciação romana entre cidadania e cidadania ativa, os membros da assembléia e os legisladores que vieram depois estabeleceram que para tter participação na vida política, votando e recebendo mandato e ocupando cargos elevados na administraçãso pública, não bastava ser cidadão. E dispuseram que pata tter a cidadania ativa eram necessários certos requisitos que logo mais serão especificados, não bastando ser pessoa.

A partir daí a cidadania continuou a indicar o conjunto de pessoas com direito de participação política, falando-se nos “direitos da cidadania” para indicar os direitos que permitem participar do governo ou influir sobre ele, o direito de votar e ser votado, bem como o direito de ocupar os cargos públicos considerados mais importantes. Mas a cidadania deixou de ser um símbolo de igualdade de todos e a derrubada dos privilégios da nobreza deu lugar ao aparecimento de uma nova classe de privilegiados.

A Constituição francesa de 1791, feita pouco depois da Declaração de Direitos de 1789, manteve a monarquia, o que já significava um privilégio para uma família. Além disso, contrariando a afirmação de igualdade de todos, estabeleceu que somente os cidadãos ativos poderiam ser eleitos para a Assembléia Nacional. Ficou sendo também um privilégio dos cidadãos ativos o direito de votar para escolher os membros da Assembléia. E para ser cidadão ativo era preciso ser francês, do sexo masculino, ser proprietário de bens imóveis e tter um renda mínima anual elevada.

As mulheres, os trabalhadores, as camadas mais pobres da sociedade, todos esses grupos sociais foram excluídos da cidadania ativa e tiveram que iniciar uma nova luta, desde o começo de século dezenove, para obterem os direitos da cidadania. Foram, até agora, duzentos anos de lutas, que já proporcionaram muitas vitórias, mas ainda falta caminhar bastante para que a cidadania seja, realmente, expressão dos direitos de todos e não privilégio dos setores mais favorecidos da sociedade.
(http://www.dhnet.org.br/direitos/sos/textos/historia.htm)

Programa do Curriculo Minimo

Como havia prometido aos meus alunos do Pedro II, estamos disponibilizando o Programa Curricular disposto para a escola que possuí por base o Currículo Minimo do SEEDUC e com nossas inserções . A postagem atende a reivindicação por motivo de observação do modo como o Saerj poderá realizar suas atividades avaliatórias, já que estas geralmente fogem aos modelos tradicionais elaborados por parte dos professores e principalmente do Enem.

Terceiro ano:

1º BIMESTRE
Conteúdo Programático:
Mês
Conteúdo Programático
Competências do Currículo Mínimo
Procedimento Didático (Técnica)
Recursos Didáticos
Nº aulas
Fevereiro
Brasil - República Velha: mudanças políticas e sociais
- Comparar o significado geo-histórico das organizações políticas e socioeconômicas em escala local e regional;
1. Aula expositiva
1. Lista de exercício suplementar;
01

- Correlacionar o conceito de cidadania no Brasil republicano com as organizações políticas e socioeconômicas do
período
1. Aula expositiva;
2. Exercícios de fixação.
1. Lista de exercício suplementar;
2. Exercícios de outros livros de referência;

01
Março
Guerras mundiais no século XX
- Identificar os significados geo-históricos das relações de poder entre as nações;
Aula expositiva
1. Exercícios do ENEM;
2. Uso de questões de vestibulares anteriores
04

- Discutir o genocídio no contexto das Guerras Mundiais: o Holocausto e as minorias dissidentes;
Aula expositiva
Exibição de Documentário
06
Abril

- Compreender os conceitos de Fascismo e Nazismo.
Avaliação Bimestral
1. Uso de questões de vestibulares anteriores.
2. Exibição de Filme
08




2º BIMESTRE
Conteúdo Programático:
Mês
Conteúdo Programático
Competências do Currículo Mínimo
Procedimento Didático (Técnica)
Recursos Didáticos
Nº aulas
Maio
Processos revolucionários do século XX (Rússia e Cuba)

- Comparar os movimentos sociais que contribuíram para mudanças em processos de disputa pelo poder;
1. Aula expositiva;
2. Documentários.
1. Exercícios do ENEM;
2. Uso de questões de vestibulares anteriores
04

- Analisar os diferentes processos de produção ou circulação de riquezas e suas implicações socioespaciais;
1. Aula expositiva;
2. Exercícios de fixação.
1. Lista de exercício suplementar;
2. Exercícios de outros livros de referência;

02

- Identificar as diferenças de movimentos revolucionários socialistas: Rússia e Cuba.
1. Aula expositiva;
2. Debate.
1. Lista de exercício suplementar;
2. Leitura de Documento
02
Junho
Os sistemas totalitários na Europa do século XX: nazifascismo; ditaduras na América Latina e Estado Novo no Brasil
- Identificar as diferenças entre os conceitos de totalitarismo e ditadura;

1. Aula expositiva;
2. Debate
Documentário sobre o Estado Novo
04

- Avaliar criticamente conflitos culturais, sociais, políticos, econômicos e ambientais no século XX;
1. Aula expositiva;
2. Exercícios de fixação.
Documentário
02

- Relacionar o contexto sociopolítico com a construção das ditaduras e do populismo na América Latina.
1. Aula expositiva;
2. Exercícios de fixação.
1. Lista de exercício suplementar;
2. Exercícios de outros livros de referência
04